Notícias

Previous Next

5 formas de melhorar a alimentação

A Organização Mundial da Saúde listou mudanças de hábitos que beneficiam o bem-estar e contribuem para a perda saudável de peso.

Sai o arroz e feijão, entra o lanche de fast-food. Substitui o suco de fruta ou água pelo refrigerante. A fruta rica em nutrientes é trocada pelo biscoito doce. Os salgadinhos ultraprocessados tomam o lugar das castanhas, ricas em gorduras boas. 

O brasileiro anda comendo mal e os seus hábitos alimentares pouco saudáveis, agravados pela correria da rotina e estresse, estão refletindo na saúde e bem-estar. 

Segundo o Ministério da Saúde, quase 1 em cada 5 brasileiros é obeso e mais da metade da população das capitais estão com excesso de peso. A obesidade é considerada uma doença crônica pela OMS e está diretamente relacionada a outras doenças, como diabetes e doenças cardiovasculares. 

Com a crescente preocupação à mesa, a OMS (Organização Mundial da Saúde) listou alguns hábitos alimentares simples e fáceis que beneficiam a saúde e, consequentemente, contribuem para a perda saudável de peso. Veja abaixo: 

Coma mais vegetais e frutas

A OMS recomenda o consumo diário de uma variedade de vegetais e legumes e de frutas. Não só nas principais refeições (almoço e jantar) como também nos lanches da manhã e tarde, substituindo comida processada (ricas em sódio, gorduras e até açúcar escondido) por legumes crus, como cenouras cortadas e frutas da estação. 

Outra dica da organização é preferir consumir verduras e legumes crus ou pouco cozidos, para que eles não percam seus nutrientes. Outra sugestão é evitar frutas secas (como uvas passas, banana desidratada e damasco), que concentram mais açúcar. 

Por que você deve seguir esta dica? 

Vegetais e frutas são importantes fontes de vitaminas, minerais, ricas em fibras (que ajudam no funcionamento do intestino), antioxidantes e fontes de proteína vegetal. “Pessoas que seguem uma dieta rica em vegetais e frutas têm uma significativa queda no risco de obesidade, doença cardíaca, derrames, diabetes e de desenvolver diferentes tipos de cânceres”, ressaltou a OMS. 

Coma porções diárias de gordura (boa) e azeite, com moderação

Se você come carne, prefira carnes brancas e peixes, que têm baixo teor de gorduras. Reduza o consumo de carne vermelha e evite carne processada (como linguiça, salames e salsicha), pois estes alimentos são ricos em gordura e sódio.

Por outro lado, coma mais alimentos com gorduras “boas”, como castanhas, abacate e azeite. 

Por quê? 

Gorduras e óleos vegetais e animais concentram energia, mas quando você come muito, principalmente as gorduras “ruins” podem ser perigosas para a saúde. 

Pessoas que comem muita gordura saturada e gordura trans têm um risco maior de desenvolver doenças cardiovasculares. 

Coma uma maior variedade de alimentos

Comer uma grande variedade de comidas, como cereais, grãos, carnes, legumes, vegetais, frutas, ovo e laticínios, é benéfico para a saúde, se comidos em porções razoáveis.

Cada vez mais nutricionistas, inclusive, aconselham diminuir a pressão sobre a comida e permitir mais alimentos. A questão é deixar de contar calorias e contar mais nutrição e moderação. 

Por quê? 

Comer uma variedade alimentos in natura (não processados) e alimentos frescos todos os dias ajuda a obter as necessidades diárias de nutrientes. Além disso, uma vez bem nutrido, você vai se sentir bem disposto e será mais fácil evitar tentações não tão saudáveis. 

Coma menos sal e açúcar

Prefira comer em casa, pois você pode controlar a quantidade de sal e açúcar nos alimentos. Também evite comer e beber processados, que têm muito sódio e açúcar escondidos. 

O refrigerante, por exemplo, é rico em açúcar e tem calorias “vazias”, ou seja, com nenhum nutriente.  

Por quê? 

Pessoas com dietas ricas em sódio, gordura e açúcar têm risco de aumentar a pressão e de desenvolver doenças crônicas, como diabetes. 

Amamente bebês

Por fim, a OMS reitera a importância da amamentação para a saúde de bebês e crianças. Até os 6 meses de idade, a recomendação é uma dieta exclusiva de leite materno e, depois dessa idade, a introdução de alimentos naturais, como frutas e legumes. Não adicione sal e açúcar nas comidas das crianças. 

Por quê? 

O leite materno oferece todos os nutrientes necessários para o desenvolvimento saudável do bebê até os 6 meses de vida. Crianças que seguem essa alimentação se mostram mais resistentes às doenças infantis como diarréia e infecções, além de terem menores chances de terem diabetes e sobrepeso. 

Fonte: HUFFSPOT.

                             

                             

                             Contato

                             Política de Privacidade

                             Mapa do Site

                             Login Diretório

                             Credenciamento

          

            

 

                              

  

Newsletter

Eu aceito receber comunicações da promotora e de parceiros.
Sim, li e concordo com a política de privacidade

" "