Notícias

Manteiga tem um futuro promissor no Brasil

Manteiga tem um futuro promissor no Brasil

Citação ressaltada: “A contínua reavaliação das gorduras naturais sugere um futuro promissor para a manteiga no Brasil, desde que os fabricantes consigam reduzir sua dependência do pão.”

 

Brasileiros reduzem o consumo de gordura

O volume de consumo de gorduras por pessoa diminuiu no Brasil nos últimos anos durante a pior recessão na história do país, com alta taxa de desemprego e inflação incentivando muitos consumidores a reduzirem suas compras. Em 2017, o volume de vendas na categoria diminuiu 1% chegando a 480.500 toneladas, seguido por uma redução de 1,3% em 2016 e um declino de 0,5% em 2015, de acordo com dados do IBGE, MDIC/SECEX, USDA e Mintel.

Apesar deste contexto difícil para operar, a inflação dos preços influenciou no crescimento de valor no mercado. O custo das gorduras aumentou em média 9% por kg no Brasil em 2017, elevando o valor total do mercado de varejo em 8%, chegando a R$6,4 bilhões.

Uma parte deste crescimento reflete os altos preços de leite direto das fazendas, e a menor oferta aumenta o custo de produção. No entanto, isso também ressalta outra mudança fundamental que está ocorrendo: a transição da margarina à manteiga.

 

A manteiga superou a margarina

Há muito tempo a margarina é a opção de gordura favorita dos brasileiros. O produto acessível é uma necessidade doméstica, e tradicionalmente é preferido ao invés da manteiga graças ao seu preço mais acessível. Em 2016, a margarina ainda era responsável por 85% de todo o volume de vendas de gorduras no Brasil.

Contudo, poucos brasileiros têm uma imagem positiva da margarina, apesar das altas médias de consumo, muitos agora estão escolhendo a manteiga. A turbulência econômica dos últimos anos estagnou o crescimento do mercado de manteiga, onde o volume de vendas se manteve em 2016. Apesar do preço alto da manteiga e das limitações recentes no poder de aquisição do consumidor, com o forte declínio registrado no segmento da margarina, a manteiga ainda pode ter um desenvolvimento positivo. Também é um bom indício para o futuro crescimento conforme a economia brasileira mostra sinais de recuperação, com o GDP à 1% em 2017, o primeiro aumento registrado desde 2014.

A manteiga fica para trás em volume, comparada à margarina, mas está alcançando em valor

Brasil: segmento de mercado varejista de manteiga e gorduras, por valor e volume 2016

Fi 6.png

Valor / Volume. Total / Margarina / Manteiga. bi R$ / (000) toneladas.

 

Manteiga é bem vista pelos consumidores

Mudar as percepções sobre o impacto saudável da manteiga tem sido um fator importante por detrás desta tendência crescente no Brasil. Assim como no resto do mundo, os consumidores brasileiros estão reavaliando cada vez mais o consenso anterior sobre gordura ter que ser evitada, conforme pesquisas sobre os benefícios saudáveis do consumo de gorduras não processadas de fontes naturais, como a manteiga. Estas "gorduras boas" estão cada vez mais sendo divulgadas como componentes importantes para uma dieta saudável, enquanto as gorduras processadas como a margarina estão sendo advertidas. Mais de um terço (37%) dos brasileiros concordam que a manteiga é mais saudável que a margarina, e conforme a gordura continua a perder seu estigma, as marcas de manteiga devem aproveitar ainda mais seu destaque no Brasil, com o potencial dos fabricantes promoverem o conteúdo de gordura como algo positivo.

 

A popularidade do leite integral enfraquece a oferta interna

A contínua reavaliação das gorduras naturais sugere um futuro promissor no Brasil, mas o crescimento do mercado tem sido dificultado pelas recentes condições locais. Fora o clima econômico, a escassez de manteiga doméstica tem sido uma limitação significativa, com muitas prateleiras vazias nos supermercados em 2017 devido à produção insuficiente de gordura láctea necessária para produzir a manteiga.

O leite contém entre 3% e 3,5% de gordura, com a produção de leite desnatado gerando um excedente que é usado para fabricar manteiga e outros produtos lácteos. No entanto, no Brasil, o leite é normalmente consumido integral – 63% dos brasileiros bebem leite integral, comparado a 23% que bebem leite desnatado – o que reduz a oferta de gordura láctea para outros usos, especialmente para o requeijão que utiliza quase todo o excedente.

Isto criou um espaço para os fabricantes importarem manteiga, mas também elevou o produto a um nível premium, ficando fora do alcance para muitos. Dois terços (67%) dos brasileiros dizem que comprariam mais manteiga se fosse mais barato, destacando a oportunidade para produtores de lacticínios locais. A produção doméstica de manteiga está projetada para aumentar 1% em 2018 a 85 milhões de toneladas, de acordo com o USDA, mas isto ainda é insignificante comparado a 4.09 milhões de toneladas importadas nos primeiros nove meses de 2017.

 

A inovação da manteiga cresce apesar das limitações

Ainda há um longo caminho para o Brasil até conseguir alcançar a capacidade de produção de manteiga como outros mercados, mas as mudanças positivas estão sendo feitas. Em 2017, foram lançados 58% mais produtos de manteiga no Brasil comparado a 2016, com produtores domésticos e estrangeiros investindo em produtos lácteos. Os lançamentos vieram de diversas fontes: desde lacticínios regionais como o Laticínios Passa Quatro, a marcas de gigantes globais de laticínios como a Lactalis.

O que tem sido mais uniforme é a natureza das inovações da manteiga. Os lançamentos mais recentes foram de manteigas sem sal e simples, que se apoiam em descrições como "primeira qualidade", "qualidade alta" e "qualidade extra" para ganhar um diferencial naquilo que segue como um mercado amplamente de comoditização (embora um produto relativamente caro). Poucos produtos tentaram se destacar buscando uma abordagem mais experimental com o sabor, função ou pacote, e isto representa um possível crescimento adiante conforme o consumo de manteiga se torna mais acentuado no Brasil.

 

Manteiga básica no Brasil

 fi 7.jpg

 

Primeira qualidade

Betânia Manteiga com sal de Primeira Qualidade. O produto foi inspecionado pelo Ministério de Agricultura do Brasil e é vendido em um pote plástico de 200g.

fi 8.jpg

 

Qualidade alta

Minasa Manteiga com sal de alta qualidade. O produto livre de glúten é vendido em um pote de 200g e foi inspecionado pelo Ministério de Agricultura do Brasil.

fi 9.jpg

Qualidade extra

Latco Manteiga sem sal de Qualidade Extra. A manteiga é vendida em uma lata de 200g e foi inspecionada pelo Ministério de Agricultura do Brasil.

Como é usada a manteiga?

No Brasil, a manteiga é usada principalmente para passar no pão, ressaltando a margem para as marcas aumentarem as vendas com a sugestão de outras ocasiões para seu uso, como para cozinhar e assar.

  • 76% dos consumidores brasileiros de manteiga usam o produto lácteo para passar no pão, bem acima de qualquer outro tipo de uso
  • 68% dos brasileiros acham que cozinhar com a manteiga dá mais sabor do que o óleo, destacando o espaço para abordar explicitamente cozinheiros domésticos
  • 31% dos brasileiros cozinham em casa pelo menos uma vez por dia usando apenas ingredientes naturais/domésticos, delineando uma ocasião potencialmente lucrativa

 

A manteiga deve ir além do pão

A dependência da manteiga em ocasiões de se passar no pão pode se tornar uma fraqueza maior nos próximos anos à medida que os brasileiros evitam cada vez mais os carboidratos. Em maio de 2017, 41% dos brasileiros disseram que estavam limitando a quantidade de carboidratos que consumiam, ou estavam interessados em começar a fazer isso no futuro, ao invés de elevarem comidas com mais valor nutricional. Isto representa uma ameaça real para uma categoria que tipicamente é consumida com pão ou biscoitos, e pode limitar o crescimento futuro a menos que os fabricantes consigam ramificar a outras ocasiões com sucesso.

Um possível método para alcançar essa diversificação é através da inovação do sabor, que pode não só ajudar as marcas a quebrarem a imagem de comoditização da manteiga, mas também posicionar o produto lácteo como uma ajuda para cozinhar. Em outros lugares no mundo, os fabricantes comercializaram a manteiga com sabor como um apoio conveniente para o cotidiano que pode ajudar os consumidores a serem mais criativos na cozinha, com pacotes menores que oferecem menos risco para experimentar coisas novas. Desenvolver manteigas parecidas irá chamar atenção no Brasil à medida que os consumidores valorizem atalhos convenientes para cozinhar em casa.

 

Foco no sabor

fi 10.jpg

 

Uma pitada de páprica

Plezi Gourmet Manteiga Temperada com Páprica Defumada. O produto é feito para condimentar carnes vermelhas, carne de porco, de caça, curry e caldos, e é vendido em potes de 85g.

fi 11.jpg

 

Ghee com alho

Ghee Me More!...O fabricante afirma que o produto pode ser usado para grelhar, fritar ou refogar, ou como um substituto para óleos. É vendido em um pote de vidro de 200g.

fi 12.jpg

 

Manteiga e ervas

Dom Afonso Ghee com Ervas. A manteiga é temperada com salsa, cebolinha, orégano, alho, cebola, hortelã e manjericão.

 

A oportunidade

O mercado brasileiro de manteiga oferece oportunidades significativas para os fabricantes, conforme o país se recupera da recessão histórica, com mais consumidores propensos a se afastarem da margarina à medida que o preço se torna um problema a menos. No entanto, a manteiga ainda é predominantemente usada para passar no pão, o que ressalta a oportunidade para fabricantes serem mais experimentais com o sabor, com manteigas temperadas que podem ajudar os consumidores a serem mais criativos na cozinha.

 

Matéria exclusiva: Mintel

ubm white

  Conectando pessoas e o mercado global

 

UBM: uma das maiores empresas do mundo em mídia de negócios

Nos mais de 30 países onde realiza seus eventos, a UBM constrói relacionamentos duradouros com especialistas e players do mercado e gera oportunidades que alavancam e fomentam o desenvolvimento da indústria local em âmbito global. Ler Mais

 

Filiada à     

 ubrafe branco

                             

                             UBM Brazil

                             Contato

                             Política de Privacidade

                             Mapa do Site

                             Login Diretório

                             Credenciamento

          

            

 

                              

  

Newsletter

Eu aceito receber comunicações da promotora e de parceiros.
Sim, li e concordo com a política de privacidade